Mediunidade
novembro 23, 2017
Paranorman
dezembro 1, 2017

7 Comentários

  1. Cristina disse:

    Jamais conseguiria responder esse ateu, nas agora eu consigo rsrsrs. Perfeito

  2. Cristina disse:

    Jamais conseguiria responder esse ateu, nas agora eu consigo rsrsrs.muito bomm

  3. ALESSANDRA MATIAS DE ARAÚJO disse:

    Percebemos nessa conversa o quanto é difícil debater a religiosidade e a existência de Deus, os discursos acabam se esvaziando, e os argumentos meramente racionais tornam-se inconsistentes, e por outro lado, aqueles que creem são rechaçados como pouco inteligentes. Mas é interessante também perceber que a “Verdade” está fragmentada ( verdade que poderia ser entendida como o próprio Deus), e assim, todas as manifestações religiosas são válidas. Cada um necessita de uma determinada linguagem para acessar o Divino, e as religiões são escolhidas de acordos com nossas visões de mundo.

    • Stelio Carvalho disse:

      Sim. Até mesmo porque discutimos algo que não temos nem evolução intelectual nem moral para entender.
      1. Que é Deus?
      “Deus é a inteligência suprema, causa primária de todas as coisas. ”1 (Vide Nota Especial nº 1, da Editora (FEB), pág. 604.)
      No esclarecimento que a espiritualidade tenta nos dar, eles têm o nosso problema de pobreza de vocabulário e pobreza moral.
      Devemos discutir sim, mas, sem nos iludirmos com nossa pretensão de sermos o centro do universo. Temos muito o que aprender ainda.

  4. ALESSANDRA MATIAS DE ARAÚJO disse:

    Muito interessante a explicação do porquê Deus não segurou o gatilho: o livre-arbítrio como condição essencial do Amor, e que também pressupõe a observância das Leis Naturais, somos vários e Deus não poderia flexibilizar as regras para benefício de um e prejuízo de outro a qualquer tempo, imagine o caos… kkkk

    • Stelio Carvalho disse:

      Muito difícil entender um Deus que não impões sua vontade.
      Um Deus que tem paciência e respeito com as escolhas humanas.
      Se o conhecimento fosse colocado por deus em nós, que merecimento teríamos sobre algo que não foi construído por nós?
      Imaginemos duas pessoas que Deus tivesse posto nelas todo o conhecimento de tudo, uma de frente para a outra. Elas não teriam nada a dizer.
      O que nos move é nossas diferenças.
      Pena que ainda estamos aprendendo a lidar com elas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: